terça-feira, 15 de junho de 2004

Ao Pequeno Príncipe que me cativou

Então a raposa apareceu.

"Bom dia", disse a raposa.

"Bom dia", o Pequeno Príncipe respondeu educadamente. "Quem é você? Você é tão bonita de se olhar."

"Eu sou uma raposa", disse a raposa.

"Venha brincar comigo", propôs o Pequeno Príncipe. "Eu estou tão triste".

"Eu não posso brincar com você", a raposa disse. "Eu não estou cativada".

"O que significa isso – cativar?"

"É uma coisa que as pessoas freqüentemente negligenciam", disse a raposa. "Significa estabelecer laços".

"Sim" disse a raposa. "Para mim você é apenas um menininho e eu não tenho necessidade de você. E você por sua vez, não tem nenhuma necessidade de mim. Para você eu não sou nada mais do que uma raposa, mas se você me cativar então nós precisaremos um do outro".

A raposa olhou fixamente para o Pequeno Príncipe durante muito tempo e disse: "Por favor, cativa-me."

"O que eu devo fazer para cativar você?" perguntou o Pequeno Príncipe.

Você deve ser muito paciente". Disse a raposa. "Primeiro você vai sentar a uma pequena distância de mim e não vai dizer nada. Palavras são as fontes de desentendimento. Mas você se sentará um pouco mais perto de mim todo dia."

Então o Pequeno Príncipe cativou a raposa e depois chegou a hora da partida dele – "Oh!" disse a raposa. "Eu vou chorar".

"A culpa é sua", disse o Pequeno Príncipe, "mas você mesma quis que eu a cativasse".

"Adeus", disse o Pequeno Príncipe.

"Adeus", disse a raposa. "E agora eu vou contar a você um segredo: nós só podemos ver perfeitamente com o coração; o que é essencial é invisível aos olhos. Os homens têm esquecido esta verdade. Mas você não deve esquecê-la. Você se torna eternamente responsável por aquilo que cativa."

(O Pequeno Príncipe, Saint-Exupéry)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário